O que saber antes de visitar o Projeto Tamar

Confira as dicas básicas e o que saber antes de visitar o Projeto Tamar para tirar o máximo proveito do passeio. Aliás, essa é uma das melhores opções para todos os públicos do que fazer em Ubatuba.

Você sabia que o Projeto Tamar de Ubatuba recebe 120 mil visitantes ao longo do ano?
Fonte: Tamar Ubatuba

Horário de funcionamento do Projeto Tamar em Ubatuba

Durante o período de férias escolares o horário de funcionamento do Projeto Tamar é mais estendido. Dias de semana durante o período letivo é mais apertado, mas segue até mais tarde aos finais de semana.

  • Férias escolares (dezembro a fevereiro e julho): todos os dias das 10 às 20 horas
  • Período letivo: Domingo, 2ª, 3ª e 5ª feiras das 10 às 18 horas
  • Feriados, 6ª feira e sábado, das 10 às 20 horas
  • Fechado 4ª feira para manutenção durante período letivo

Como visitar o Projeto Tamar

Antes de mais nada, atenção para o horário de funcionamento, afinal de contas, a melhor dica de como visitar o Projeto Tamar é reservar ao menos 2h para aproveitar o passeio. Veja como chegar no Projeto Tamar.

Valores e Preços da Bilheteria do Projeto Tamar

Para a temporada de 2019: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia entrada). Meia é válida para crianças e jovens de até 17 anos, assim como estudantes com carteirinha e professores com identificação.

Não pagam crianças com menos de 1,20 m, além de jovens senhores e senhoras com mais de 60 verões. Moradores também não pagam, mas é preciso ter cadastro. Informações: 12 3832-6202 | 7014 | 4046.

Todo o circuito do Projeto Tamar de Ubatuba oferece acessibilidade.

Fotos do Projeto Tamar em Ubatuba Fotos do Projeto Tamar em Ubatuba

Breve seleção de fotos do Centro de Visitantes do Projeto em Ubatuba. Ao final estão links para redes sociais onde publicamos novas fotografias e conteúdos com frequência.

Fotos e Redes Sociais

Todas as fotografias de nosso site possuem licença CC-BY-NC 4.0 e concedemos autorização para utilizá-las em artigos, matérias e outros fins não comerciais. Saiba mais em Direitos Autorais.

Veja novidades e fotografias recentes em nossas redes sociais

Sobre o Centro de Visitantes do Projeto Tamar

A Base do Projeto Tamar de Ubatuba iniciou as atividades em 1.990 e está instalada em uma área de 1.800 m². A localização é privilegiada, com ótima sinalização e pontos de referência (veja como ir).

Por meio do Programa de Pesquisa e Conservação das Tartarugas Marinhas, até o início de 2018 foram registradas mais de 14.500 ocorrências de tartarugas marinhas.

Dessas, 10.300 tartarugas marinhas foram devolvidas ao mar com vida. Elas foram incidentalmente capturadas em redes ou reabilitadas após serem encontradas doentes, feridas ou debilitadas.
Fonte: Tamar Ubatuba.

Após a seção como chegar você encontra informações e dados oficiais da Base de Ubatuba e do Projeto Tamar num todo.

A grande atração do Centro de Visitantes do Projeto Tamar em Ubatuba, claro, são as tartarugas marinhas. E elas desfilam simpatia e sutileza nos cinco tanques do espaço. Monitores capacitados circulam por todo o circuito tirando dúvidas e informando os visitantes interessados.

Além das cascudas, você também pode conferir a exposição de réplicas e silhuetas de tartarugas marinhas confeccionadas em tamanho real, museu caiçara, painéis fotográficos, peças biológicas, espaços temáticos sobre a pesca e o lixo, bem como imagens em tempo real do Centro de Habilitação.

O espaço conta ainda com banheiro masculino e feminino, auditório para exibição de vídeos ambientais, quiosque/lanchonete, loja de materiais educativos, lembranças e artesanato.

Tanques, recintos e terrário

O principal destaque do Centro de Visitantes do Projeto Tamar de Ubatuba é o aquário com praia artificial e visor panorâmico. Ele fica no centro do espaço e é acessível por uma escada, onde é possível observar tartarugas de até 130 kg nadando serenamente.

Além dele existem outros quatro tanques de observação das tartarugas marinhas, cinco recintos para tartarugas de água doce, um para jabutis e outro para tartarugas terrestres. Em todos é possível observar as queridas cascudas de pertinho. As crianças (e adultos) adoram!

É importante reforçar que as visitas são orientadas e, em todo o circuito, simpáticos e capacitados monitores ficam a disposição para fornecer todo tipo de informação sobre o trabalho de conservação e biologia das tartarugas marinhas.

Os monitores são estudantes universitários de cursos ligados ao meio ambiente. Uma ótima fonte de conhecimento para adultos mas, principalmente, para a educação ambiental dos pequenos, que demonstram muito interesse sobre tudo.

Especialmente para as crianças

Por volta das 16h os pequenos podem alimentar as tartarugas. Tudo feito com higiene e assepsia, utilizando luvas descartáveis. Diversão e conhecimento de mãos dadas, pois durante a alimentação todos recebem orientações sobre os hábitos alimentares, biologia e fisiologia das cascudas.

Obs.: Para participar é preciso estar presente desde 15h e inscrevê-los.

Crianças alimentando as tartarugas marinhas no Projeto Tamar de Ubatuba

Crianças divertindo-se e aprendendo sobre as Tartarugas Marinhas no Projeto Tamar de Ubatuba

O que você encontra no Centro de Visitantes?

Os principais atrativos são, obviamente, as tartarugas marinhas. E elas desfilam simpatia por toda parte. Monitores capacitados circulam por todo o circuito tirando dúvidas e informando os visitantes interessados.

Além das cascudas, o espaço oferece exposições de réplicas e silhuetas de tartarugas marinhas confeccionadas em tamanho real, museu caiçara, painéis fotográficos, peças biológicas, espaços temáticos sobre a pesca e o lixo, além de imagens em tempo real do Centro de Habilitação.

O espaço conta ainda com banheiro masculino e feminino, auditório para exibição de vídeos ambientais, quiosque/lanchonete, loja de materiais educativos, lembranças e artesanato.

Tanques e terrários de observação

O principal destaque do Centro de Visitantes do Projeto Tamar de Ubatuba é o aquário com praia artificial e visor panorâmico. Ele fica no centro do espaço e é acessível por uma escada, onde é possível observar tartarugas de até 130 kg nadando serenamente.

Além dele existem outros quatro tanques de observação das tartarugas marinhas, cinco recintos para tartarugas de água doce, um para jabutis e outro para tartarugas terrestres. Em todos é possível observar as queridas cascudas de pertinho. A criançada adora!

É importante notar que as visitas são orientadas e, em todo o circuito, simpáticos e capacitados monitores ficam a disposição para fornecer todo tipo de informação sobre o trabalho de conservação e biologia das tartarugas marinhas.

Os monitores são estudantes universitários de cursos ligados ao meio ambiente. Uma ótima fonte de conhecimento para adultos mas, principalmente, para a educação ambiental dos pequenos, que demonstram muito interesse sobre tudo.

Especialmente para as crianças

Por volta das 16h os pequenos podem alimentar as tartarugas. Tudo feito com higiene e assepsia, utilizando luvas descartáveis. A criançada simplesmente adora e, durante a alimentação, todos recebem orientações sobre os hábitos alimentares, biologia e fisiologia das cascudas.

Atividades e atrações do Projeto Tamar em Ubatuba

Abaixo você encontra informações e fotografias sobre tudo aquilo que é desenvolvido, apresentado e acessível aos visitantes do Centro de Visitantes do Projeto Tamar de Ubatuba.

Espaço Infantil

O Espaço Infantil fica em uma ampla e bela sala pintada com a temática marinha.

Conta com estruturas lúdicas e interativas. Exemplo são o barco e o rancho de pesca, bem como jogos educativos e atividades de educação ambiental.

A proposta é proporcionar ao pequeno visitante a conexão com o ambiente cultural e natural de Ubatuba. Tudo orientado para sensibilizar para o cuidado com as tartarugas marinhas e com o mar.

Espaço Infantil Projeto Tamar Ubatuba

Criança brincando em horário próximo ao fechamento do Centro de Visitantes

 

Espaço Infantil Projeto Tamar Ubatuba

Há muitas atividades no Espaço Infantil do Projeto Tamar

Museu Caiçara

O Museu Caiçara representa a a memória e a cultura dos moradores tradicionais da região

O acervo inclui mais de 200 peças em exposição, entre ferramentas e utensílios domésticos, artefatos de pesca.

Placa, canoa e rede de pesca na entrada do Museu Caiçara do Projeto Tamar em Ubatuba

Placa artística, canoa e rede de pesca em destaque na entrada do Museu Caiçara do Espaço Tamar

 

Placa decorativa entalhada na entrada do Museu Caiçara do Espaço Tamar em Ubatuba

Placa decorativa entalhada sinalizando o espaço do Museu Caiçara do Projeto Tamar

 

Peças expostas no Museu Caiçara do Projeto Tamar em Ubatuba

Peças em exposição na Bioconstrução onde fica o Museu Caiçara do Projeto Tamar

 

Peças em destaque no Museu Caiçara do Projeto Tamar em Ubatuba

Close de algumas peças em exposição no Museu Caiçara do Projeto Tamar

Espaços Temáticos

Em dois espaços temáticos são apresentadas e discutidas as principais ameaças às populações de tartarugas marinhas em áreas de alimentação.

O Espaço Temático da Pesca destaca a importância da pesca e as pescarias que interagem com as tartarugas marinhas na região. Com maquetes, painéis informativos, imagens em vídeo e petrechos de pesca, o espaço conta com uma canoa e um barco de pesca, onde os visitantes podem interagir.

Espaço temático da pesca no Projeto Tamar em Ubatuba

Tanques de observação e, ao fundo, Espaço Temático da Pesca no Projeto Tamar

 

Espaço Temático do Lixo no Mar tem como objetivo sensibilizar, informar e envolver os visitantes para o cuidado com nosso lixo. Além de ser uma das principais ameaças às tartarugas marinhas e aos habitantes dos oceanos, coloca em risco a saúde humana e a própria vida.

Também há instalações interativas produzidas com lixo, painéis informativos e um lixômetro. Neles são demonstradas a quantidade de lixo que as tartarugas ingerem no mar.

Programas de Educação Ambiental

Entre outros, são desenvolvidos diversos Programas Especiais de Educação Ambiental para escolas, comunidades pesqueiras e para o público em geral. Em destaque estão:

  • Tartarugas vivendo livres no mar
  • Nem tudo o que cai na rede é Peixe
  • Campanha permanente sobre a Duração de Lixo no Mar
Placa sinalizando o espaço do Programa de Educação Ambiental "Nem tudo que cai na rede é peixe", do Projeto Tamar em Ubatuba

Placa identificando o espaço do Programa de Educação Ambiental “Nem tudo que cai na rede é peixe”, do Projeto Tamar

Casco Acústico

O Casco Acústico tem sido implantado desde 2010 nos principais Centros de Visitantes do Tamar. No caso de Ubatuba, o espaço foi inaugurado em 2010.

O objetivo é valorizar a cultura e tradições artísticas locais, com apresentações em diversas linguagens. Através dele também é promovido e divulgado o trabalho de conservação das tartarugas marinhas através de eventos artísticos, inclusive musicais.

Tanques de observação em primeiro plano e, ao fundo, o Casco Acústico do Projeto Tamar em Ubatuba

Tanques de observação de tartarugas marinhas e, ao fundo, o Casco Acústico do Projeto Tamar

Loja Tamar

A Loja Tamar apresenta diversificados produtos confeccionados pelos Grupos Produtivos apoiados pelo Projeto Tamar.

No desenvolvimento do Programa de Pesquisa e Conservação das Tartarugas Marinhas em Ubatuba, além das atividades de pesquisa científica e educação ambiental, o Tamar desenvolve Programas de Inclusão Social, com ações com a comunidade através dos Grupos produtivos: Grupos de Costureiras do Camburi e da Picinguaba e o Programa Nosso Papel de Futuro.

As costureiras e artesãs do Camburi atuam na produção de tartareias, tartarugas de pano preenchidas com areia.

Já o grupo de Picinguaba cria peças como panos de prato, toalhas, tapetes, almofadas, jogos americanos, cama e mesa e bolsas. Todos bordados e pintados com motivos ligados ao mar.

Como chegar no Projeto Tamar em Ubatuba Como chegar no Projeto Tamar

O Centro de Visitantes do Projeto Tamar fica na Rua Antonio Athanásio, 273. O bairro é Jd. Paula Nobre, mas muitos referenciam-no como Itaguá, por ser mais conhecido.

Itaguá ou Jd. Paula Nobre, fica na região central de Ubatuba. O acesso mais comum é pelo Shopping Porto Itaguá. Ele está localizado na Av. Leovigildo Dias Vieira, 500. Essa é a avenida da orla da Praia do Itaguá.

Seguindo a paralela do shopping, Av. Milton de Holanda Maia, é muito simples de chegar no Projeto Tamar. Basta virar para a direita na quarta rua transversal, a Rua Raimundo Corrêa. O Projeto Tamar fica na esquina, distante aproximadamente 500 metros do shopping.

Caso queira obter rotas, linhas de ônibus, distâncias e outras informações sobre a Praia do Itaguá, por gentileza acesse a página como chegar na Praia do Itaguá.

Por que imagem ao invés do mapa?Economia no pacote de dados e velocidade. A maioria dos acessos do Go Ubatuba provém de dispositivos móveis. Para evitar consumo desnecessário de dados e deixar a página mais rápida, inserimos a imagem. Ao clicar nela irá abrir a página com informações completas sobre como chegar na Praia do Itaguá.

Linhas de ônibus e trânsito agora na região da Praia do Itaguá.

Praia do Itaguá Agora

Conheça as espécies de tartarugas marinhas

Existem 7 espécies de tartarugas marinhas, das quais 5 ocorrem no Brasil. No centro de visitantes do Projeto Tamar de Ubatuba é possível obter informações sobre todas e conhecer 4 das 5 espécies que transitam por águas brasileiras.

As únicas que não são encontradas pela costa do Brasil são a Tartaruga-de-Kemp e a Tartaruga-Marinha-Australiana. Já em Ubatuba, a única das cinco que raramente ocorre é a Tartaruga-Oliva.

Você sabia…

  • que somente um ou dois, em cada mil filhotes que nascem, conseguem atingir a maturidade?
  • que, com exceção da Oliva, as tartarugas marinhas só atingem a maturidade entre 20 e 30 anos?
  • e que elas podem viver até, aproximadamente, 100 anos?

Viaje conosco e conheça as espécies de tartarugas marinhas.

Tartaruga-cabeçuda
Tartaruga-Cabeçuda

Foto: Ukanda

Segundo o Tamar, a Tartaruga-Cabeçuda encontra-se sob status de ameaçada. Além de Cabeçuda, ela também é conhecida como Mestiça.

Ela é única espécie do gênero Caretta, fazendo jus ao nome científico Caretta Caretta. No Brasil o tamanho curvilíneo da carapaça é de 136 cm e o peso médio de 140 kg. Curiosamente, segundo artigo na Wikipedia, a maior tartaruga-cabeçuda registrada pesava 545 kg e 213 cm.

As Cabeçudas são carnívoras e, com a ajuda dos poderosos músculos da mandíbula, deliciam-se com caranguejos, moluscos, mexilhões e outros invertebrados encontrados em mares tropicais e subtropicais de todo o globo, assim como em águas temperadas ou, em outras palavras, onde elas estão distribuídas.

Saiba mais (referências)

Tartaruga-de-pente

 

Segundo o Tamar, a Tartaruga de Pente encontra-se sob status de criticamente ameaçada. É também conhecida como Legítima.

Essa tartaruga marinha gosta de águas costeiras rasas e recifes de corais e, ocasionalmente, nada para águas mais fundas. Considerada a mais tropical dentre todas as espécies e é encontrada por vezes em mares sub-tropicais mas, mais comumente em mares dos oceanos Atlântico, Índico e Pacífico.

Possui cabeça e bico estreito e, por conta disso, tem facilidade para buscar alimento em fendas dos recifes de corais. Alimenta-se basicamente de esponjas, anêmonas, lulas e camarões.

Em termos de tamanho, segundo o Tamar, no Brasil tem até 110 cm de comprimento curvilíneo. Já o peso médio é de 86 kg.

Saiba mais (referências)

Tartaruga-de-couro

Também conhecida como Tartaruga-Gigante, encontra-se sob o status criticamente ameaçada, segundo o Tamar. Ela é a maior das tartarugas marinhas.

Não é a toa que é conhecida como Gigante, pois atinge até 178 cm de carapaça e, acredite, em média, pesa 400 kg. As nadadeiras dianteiras podem ultrapassar a medida de 2 metros. Uau, que espécime intrigante!

A maior Tartaruga-de-Couro já registrada tinha 900 kg e 3 metros. O tamanho não a torna mais lenta ou menos ágil, já que é capaz de atingir 35 km/h de velocidade. Não é para menos, com dois metros de nadadeiras, nem Michael Felps ousaria competir!

Apenas por curiosidade, o mais rápido dos oceanos é o Agulhão Bandeira, que atinge até 109 km/h.

Voltando a Tartaruga-Gigante. Ela alimenta-se de águas vivas e, sua dieta, é composta por zooplâncton gelatinoso, como celenterados, pyrossomos e salpas.

Suas mandíbulas, com lâminas afiadíssimas, tem o formato de W e, encontra-se distribuída em todos os oceanos tropicais e temperados do mundo. Talvez por suas impressionantes dimensões, passa a maior parte da vida em zona oceânica. No Brasil uma área regular de desova conhecida fica no litoral norte do Espírito Santo, próximo a foz do Rio Doce.

Saiba mais (referências)

Tartaruga-verde

Em grande parte dos casos de avistamento de tartarugas em costeiras e passeios de barco próximos da costa, trata-se da Tartaruga-Verde.

Mas não apenas por Ubatuba ou no Brasil, essa espécie das cascudas é encontrada em todos os oceanos, principalmente nas zonas de águas tropicais e subtropicais, independente da altitude. Existem duas populações distintas distintas, uma no Oceano Atlântico e outra no Pacífico.

Segundo o Tamar, a Tartaruga Verde encontra-se sob status de vulnerável e ela é também conhecida como Uruanã.

Com até 146 cm de carapaça e uma média de 160 km, essa tartaruga marinha tem variada dieta ao longo de seu ciclo de vida. Até os 25/35 cm de carapaça é onívora com tendência carnívora. Após atingir essa dimensão, torna-se prioritariamente herbívora.

Ela atinge a maioridade sexual ao fim de vinte e 50 anos e vive aproximadamente 80 anos.

Saiba mais (referências)

Tartaruga-oliva

Habitante principalmente de águas rasas, mas também encontrada em mar aberto, Tartaruga Oliva encontra-se sob status de ameaçada, segundo o Projeto Tamar.

Comumente confundida com a Tartaruga de Kemp, no Brasil não há confusão, pois a tartaruga-de-kemp não ocorre por aqui. Aliás, no Oceano Atlântico ela ocorre na América do Sul e costa oeste da África. Ocorre muito também nos mares tropicais e subtropicais dos Oceanos Índico e Pacífico.

Ela é uma das menores espécies de tartarugas marinhas, com peso médio de 42 kg e cerca de 72 cm de carapaça. Apesar disso e de possuir uma pequena cabeça, suas mandíbulas são poderosas.

Carnívora, alimenta-se de salpas, peixes, moluscos, crustáceos, briozoários, tunicados, águas-vivas, ovos de peixe e eventualmente algas.

Saiba mais (referências)

Tartaruga-de-kemp

A Tartaruga-de-Kemp é a que está em situação mais crítica e em extrema ameaça de extinção. Segundo o Projecto de Apoio à Conservação da Tartaruga Marinha Caretta caretta no Atlântico Norte, existem atualmente apenas 300 casais.

Já segundo a Wikipedia, em publicação um tanto defasada, em 1985 eram cerca de 702 ninhos. Como é difícil encontrar informações sobre e ela não ocorre no Brasil, tampouco pode ser vista nos Centros de Visitação do Tamar, não nos aprofundaremos sobre ela.

Caso esteja em busca de informações atualizadas ou mais técnicas, por gentileza procure o Tamar ou instituições/governo do México, pois é onde sua pequena população mais ocorre.

Saiba mais (referências)

Tartaruga-marinha-australiana

Assim como a Tartaruga-de-Kemp, a espécie Tartaruga-Marinha-Australiana não ocorre no Brasil. Também não será possível conhecê-la através dos Centros de Visitantes do Projeto Tamar.

Como o nome sugere, a maior ocorrência está concentrada no Oceano Australiano. Elas nidificam apenas na Austrália apesar de buscarem alimentos na Indonésia, Papua Nova Guiné e também no Great Barrier Reef Marine Park Authority.

Entre os principais predadores dos filhotes estão os pelicanos, caranguejos fantasma, crocodilos e tubarões. Em fase adulta atingem tamanho médio de 94 cm e 82 kg de peso.

Saiba mais (referências)

Um pouco mais sobre o Projeto Tamar Ubatuba

É praticamente impossível descrever em uma única página tudo aquilo que é realizado através desse singular trabalho em prol das Tartarugas Marinhas. Essa galera realmente faz um trabalho exemplar que, aliás, serve de modelo para outros países.

Educação ambiental

O trabalho sócio-comunitário desenvolvido em Ubatuba é essencial para a preservação da espécie. A região tem na pesca uma de suas principais atividades econômicas e, devido a grande ocorrência de tartarugas juvenis, muitas são acidentalmente capturadas.

O Tamar trabalha junto as comunidades pesqueiras para prover orientação e o apoio ao projeto tem grande aceitação. Mas não somente casos de afogamento em redes de pesca são causadores de mortes de tartarugas.

Centro de Reabilitação de Tartarugas Marinhas

Dentre outros, na base de Ubatuba, desde 2002 o Centro de Reabilitação de Tartarugas Marinhas são atendidos casos relacionados a ingestão de lixo, traumas originados em colisões com embarcações de lazer e a fibropapilomatose, doença grave e comum na região.

Essa doença, que se caracteriza pela presença de múltiplos tumores de pele, ocorre não somente em Ubatuba, mas em todo os oceanos e atinge principalmente as tartarugas-verdes.

Apesar da causa não ser totalmente conhecida, em áreas de conservação os casos são raros. A maior incidência é registrada em locais com alto índice de poluição e os tumores tem sido associados a um vírus.

O Centro de Reabilitação de Tartarugas Marinhas do Tamar Ubatuba atende cerca de 200 cascudinhas por ano.

Informações complementares sobre o Centro de Visitantes

Com privilegiada localização, o acesso é bem fácil e sinalizado. O Centro de Visitantes ocupa uma área de 1.800 m² e, nele, 200 mil litros de água do mar preenchem o complexo de tanques. Ali é possível obter informações sobre todas as tartarugas marinhas que ocorrem no Brasil e conhecer quatro delas ao vivo, bem de pertinho.

Além de conhecê-las, há atividades para todas as idades. Uma equipe especializada (e apaixonada pelo que faz) apresenta a história e ações conservacionistas do Tamar. Mas não é só isso!

Por acanhamento ou falta de informação muitas pessoas deixam de aproveitar a visita para obter conhecimento. Com muita gentileza e paixão, os profissionais oferecem uma aula de educação ambiental. Noções de ecologia, cuidados com o meio ambiente e, claro, aspectos da biologia das tartarugas marinhas.

Há um programa muito bacana do Tamar que é o Nem tudo que cai na rede é peixe. Ele é voltado para pescadores, mas fornece valiosas informações sobre como auxiliar uma tartaruga possivelmente debilitada. Uma tartaruga marinha só pode ser considerada como morta após 24h sem nenhuma movimentação.

Saiba mais sobre o programa no site do Tamar.

Há muito, muito, muito mais, mas aí depende de você fazer uma visita ao Projeto Tamar. Aprenda, inspire-se contribua para a preservação desses gentis e simpáticos seres do mar!

Informações e referências sobre o Projeto Tamar em Ubatuba SP Informações e Referências

Desejamos apresentar tudo que um lugar específico de Ubatuba tem para oferecer. É quase inevitável deixar passar algo. Aqui estão algumas referências complementares sobre o Projeto Tamar.

Referências do Site do Tamar

Página publicada em 15/12/2017 e revisada em 10/11/2018 por Redação Go Ubatuba